Vegetação e Flora no Parque Nacional PDF Imprimir E-mail

parque nacional de chapada dos guimaraesPredominam, no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, as formações abertas, tipo savana, caracterizadas por vegetação adaptada à sazonalidade típica da região. Até hoje, as pesquisas realizadas no Parque registraram 659 espécies vegetais e 192 registros apenas em nível genérico. Contudo, nem todas as formações foram amostradas, predominando estudos sobre áreas de mata e cerrado sentido restrito, enfocando, sobretudo, espécies arbóreas.

 



O fogo é um evento comum em todas as fisionomias do cerrado, sendo um dos determinantes do tipo de vegetação. Há evidências de que as espécies de cerrado evoluíram com ocorrência de fogo, desenvolvendo adaptações que as protegem desse fenômeno, como estruturas subterrâneas que asseguram sua sobrevivência mesmo com a perda de toda a parte aérea, cascas grossas e espessas camadas de cortiça. Algumas espécies são até mesmo dependentes de fogo para se reproduzir. No entanto, as atividades humanas vêm diminuindo o intervalo de ocorrência de incêndios e aumentando sua intensidade, distanciando esses eventos dos processos naturais aos quais a fauna e a flora estão adaptadas.

 

Foram registradas, no mínimo, 11 tipologias vegetais no PNCG, de acordo com relevo, solo e demais atributos locais.

Mata seca semidecídua

A mata de encosta ou interflúvio está associada às áreas das cabeceiras dos rios perenes, como o Coxipó e o Aricá e a áreas de relevo acidentado, chegando aos sopés das morrarias, com altitudes médias de 300 m. As árvores apresentam porte de 20 m de altura, formando dossel contínuo com árvores emergentes que podem chegar a 30 m, constituindo, tipicamente, quatro estratos. Há árvores de domínio da Floresta Amazônica, como guanandi (Calophyllum brasiliense), copaíba-vermelha (Copaifera langsdorffii) e jatobá (Hymenaea spp.), além de palmeiras como buriti (Mauritia flexuosa) e babaçu (Attalea speciosa).

 

 

Mata ciliar

A mata ciliar ocorre em vales com canais de drenagem bem definidos. Algumas das espécies mais freqüentes são: ingá-de-beira-de-rio (Inga uruguensis), gomeira-de-macaco (Vochysia pyramidalis), pindaíba-preta (Xylopia emarginata) e pau-pombo (Tapirira guianensis). Nas áreas de nascentes surgem buritizais.

 

 

 

 

Cerradão

Também chamado savana arbórea densa ou savana florestada, surge em capões nas áreas de cerrado sentido restrito e nas bordas da mata semidecídua. Formado por árvores de 8 a 10 m de altura, com algumas atingindo 12 m, com circunferência raramente ultrapassando 1 m, caules tortuosos e ramificação irregular. Há ainda três estratos inferiores: árvores de 5 a 7 m, arbustos de 2 a 3 m e estrato herbáceo composto por gramíneas, bromélias, aráceas e plântulas de espécies lenhosas.

São espécies de destaque nessa formação: carvão-de-ferreiro (Sclerolobium paniculatum), marmelada (Diospyros sericea), pau-terra-do-campo (Qualea grandiflora), faveiro (Pterodon sp.) e combaru (Dipteryx alata).

Cerrado sentido restrito

O cerrado sentido restrito é formado por elementos arbustivos e arbóreos com cerca de 5 m de altura, com troncos finos e tortos, distribuindo-se de modo esparso sobre um estrato herbáceo contínuo, entremeado de plantas lenhosas raquíticas e palmeiras acaules. Destacam-se entre as árvores de cerrado sensu stricto: faveiro (Pterodon sp.), abiu-carriola (Pouteria ramiflora) e pequizeiro (Caryocar brasiliense).

 

 

 


Campo sujo

Também chamado savana gramíneo-lenhosa, na qual prevalecem gramados entremeados por plantas lenhosas raquíticas e palmeiras acaules. Quando sujeito a fogo recorrente, pode ter parte de sua composição substituída por espécies com caules subterrâneos, mais resistentes. Esta formação altera-se gradualmente para campo limpo nos morrotes. As herbáceas são principalmente gramíneas (família Gramineae) e os subarbustos, principalmente das famílias Compositae, Myrtaceae, Melastomataceae e Malvaceae. Em áreas de solo hidromórfico formam-se as várzeas, com renques de buritis, orquidáceas, briófitas e pteridófitas.

 

 


Campo limpo

Caracterizada pela presença de apenas dois estratos (arbustivo de 1 a 4 m e herbáceo), esta formação, também denominada savana parque, é composta por gramíneas e ciperáceas, entremeadas por acantáceas, genitáceas e convolvuláceas.

 

 

 

 


Campo rupestre

Ocorrem em afloramentos rochosos acima de 800 m de altitude, com distribuição restrita a poucas áreas do Parque. Os indivíduos não ultrapassam 1 m de altura e abrangem, principalmente, as famílias Eriocaulaceae, Bromeliaceae, Iridaceae, Melastomataceae e Orquidaceae.

 

 

 

 



(Fotos da vegetação: M.G.Oliveira)   
Atualizada em 14/8/2009